dezembro 06, 2016

A simplicidade primitiva da razão


É verdade que ele próprio possuía apenas um conhecimento muito vago das origens da sua abjecta condição social, mas este despertar imperceptível da consciência era suficiente era suficiente para que sentisse superioridade perante os outros. Desconhecia ainda o inextricável enredo da economia para poder resolver os problemas que o assediavam. Encontrava-se na simplicidade primitiva da razão. 

novembro 16, 2016

Preguicemos


Ai de nós! Os lazeres que o poeta pagão anunciou nunca vieram; a paixão cega, perversa e homicida do trabalho transforma a máquina libertadora em instrumento de servidão dos homens livres: a sua produtividade empobrece-os. 

Miau miau



O documentário "Autografia", da autoria de Miguel Gonçalves Mendes, passou na RTP2 nesta última segunda-feira, dia 14 de Novembro. Procurem. Miau...

novembro 11, 2016

LEONARD COHEN (1934-2016)



I've heard there was a secret chord
That David played and it pleased the Lord
But you don't really care for music do you?
It goes like this, the fourth, the fifth
The minor fall and the major lift
The baffled King composing Hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

Your faith was strong but you needed proof
You saw her bathing on the roof
Her beauty in the moonlight overthrew you
She tied you to a kitchen chair
She broke your throne, she cut your hair
And from your lips she drew the hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

Now, Maybe there's a God above
And all I ever learned from love
Is how to shoot at someone who outdrew you
But it's not a cry you can hear at night
It's not somebody who's seen the light
It's a cold and it's a broken hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

Maybe I've been here before
I know this room, I've walked this floor
I used to live alone before I knew you
And I've seen your flag on the marble arch
Love is not a victory march
It's a cold and it's a broken hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

There was a time you let me know
What's really going on below
But now you never show it to me, do you?
And remember when I moved in you
And the Holy Dark was moving too
And every breath we drew was hallelujah

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah

novembro 10, 2016

vegetar na abstinência


Andam alguns carpindo mágoas, fingindo-se preocupados, outros revelando-se surpresos, tensos, enquanto não chega a hora do jantar. Tudo servido num prato suficientemente frio e distante de tudo. E depois caminha com isso. Nada como um duche de água fria, ou como diria o especialista em simulacros Albarran: o drama, a tragédia, o horror. Mas também a análise...do Cão

the day after


novembro 04, 2016

flanância


Seja como for, o mapa de Paris ajudou-me mais do que uma vez a passar algumas horas difíceis e, ter-lhe descoberto a semelhança (...) com o cérebro humano, esforcei-me por colocar dentro dos limites desta cidade todas as circunvalações observadas em tempos. 

novembro 02, 2016

actualização

(foto GP)

e algumas leituras, para não dizer outra coisas qualquer...

holidays





(foto GP)
Banhos de mar no definhar de Outubro, nascimento de Novembro. O cheiro a castanhas no dia de todos os Santos, perdão, de los muertos, disse ela. Caminhadas com o sol a tiracolo numa batalha corpo a corpo. Memórias de um Árabe morto, saídas de um livro lá do fundo desse sol. It's Always the sun.

PS: algumas cervejas. 

outubro 16, 2016

Headbanger


A Obra ao Negro

Mais alquimistas do que ele próprio nunca o fora, eram as suas tripas, que operavam a transmutação de cadáveres de plantas e animais em matéria viva, fazendo, sem a ajuda dele, a separação entre o útil e o inútil.

(Zenão, quer dizer, Marguerite Yourcenar)